The Old Guard (Netflix)

(The Old Guard, 2020) de de Gina Prince-Bythewood. Com Charlize Theron, Kiki Layne, Mathias Schenaerts, Marwan Kenzari, Luca Marinelli, Anamaria Marinca e Chiwetel Ejiofor. 

A Netflix vêm nos últimos tempos investindo em filmes de ação com potencial para criação de franquias, um artifício que ainda não emplacou no serviço de streaming. A estratégia é sempre parecida, um material de ação estrelado por um ator ou atriz de peso que traga apelo junto ao grande público e a nova aposta da gigante do streaming é de The Old Guard.

Baseado na série em quadrinhos de Greg Rucka, que aqui faz sua estréia como roteirista ao adaptar o próprio material, o filme traz uma premissa meio batida, mas que permite expansão de diferentes formas, se mostrando um material com enorme potencial para uma franquia.

Na trama, Andy (Charlize Theron) é uma guerreira imortal que lidera um grupo de imortais realizando missões com o objetivo de salvar vidas e melhorar o mundo. Vivendo na clandestinidade, artifício que lhes dá liberdade de ação e esconde sua condição, o grupo cai em uma armadilha e acaba tendo seu segredo exposto. Logo em seguida eles tomam conhecimento do surgimento de uma nova imortal, algo que não acontece a séculos e eles partem para adicionar essa nova integrante ao grupo.

-Vocês são os vilões ou os mocinhos ?

-Depende do século.

Um dos maiores acertos do filme é não buscar explicar demais a fonte ou origem dos poderes dos personagens. Somos logo de cara apresentados ao grupo na missão em que terminam sendo revelados e o surgimento da nova imortal, funciona como a entrada também do espectador nos segredos do grupo.

Nile (Kiki Layne) funciona como um artifício do roteiro para introduzir o espectador, pois assim como ela estamos aprendendo sobre aqueles personagens e é através dos questionamentos dela que a história milenar e as motivações daqueles personagens são pouco a pouco apresentadas.

O roteiro de Rucka é mais focado na expansão daquela história, narrando mais elementos do passado do grupo, que na construção de personagens. Fora a protagonista Andy, os outros membros do grupo ganham pequenas motivações que são o suficiente que nos importemos minimamente com cada um deles. Artifício ressaltado pela sensação de unidade que o grupo consegue transmitir, um elemento importante do roteiro que se deve muito a química entre os atores.

Se o filme consegue criar personagens minimamente interessantes e um background relevante para os personagens do grupo, o mesmo não pode se dizer sobre os vilões. Com exceção de Copley (Chiwetel Ejiofor), que ganha um pequena motivação, não dá nem pra chamar os outros vilões de personagens. São caricaturas da pior espécie que enfraquecem o filme ao não representar um desafio à altura.

A produção têm um detalhe curioso, ele foi realizado por dois diretores de fotografia que trabalharam juntos, algo bem incomum mas que ganha sentido quando vemos os envolvidos. A fotógrafa Tami Reiker (parceira habitual da diretora) é mais habituada as cenas dramáticas, já Barry Ackroyd é o diretor de fotografia parceiro de Paul Greengrass, um diretor famosos por suas cenas de ação tensas e verossímeis. Uma parceria misturando dois estilos distintos, uma decisão interessante, que parece ter sido sabotada na sala de edição.

Dirigido por Gina Prince-Bythewood (Além dos Limites), o filme tem um ritmo desequilibrado, não conseguindo mesclar as sequências de ação com as cenas mais dramáticas de uma forma coesa, um problema que fica muito claro no segundo ato.

As cenas de ação são bem coreografadas, privilegiam planos mais abertos e mais longos, criando uma sensação mais verdadeira, além de nos permitir entender como o grupo luta como uma unidade e mantendo sempre o espectador dentro da cena, sem criar aquela confusão muito comuns em filmes com cenas picotadas em que pouco se entende o desenrolar do confronto.

O filme tem um bom elenco, todos estão bem, mas o grande destaque é a sul-africana Charlize Theron (Mad Max: Estrada da Fúria). Uma atriz premiada que vêm nos últimos anos mesclando filmes mais sérios com papéis em filmes de ação de maior qualidade e vêm se consolidando como a protagonista de filmes de ação da atualidade.

Ela se destaca nas cenas dramáticas, com um ar sempre melancólico, a atriz consegue transparecer o peso da imortalidade e das perdas que carrega sua personagem e nas cenas de ação ela atua de fato na maioria delas, permitindo assim uma maior veracidade da ação e permitindo a diretora e o montador o uso de planos mais longos, ao não precisar abusar dos cortes para esconder o uso de dublês.

The Old Guard funciona como filme de ação e entretenimento, não vai decepcionar os fãs do gênero, mas principalmente, funciona muito bem como filme de introdução e ponta pé inicial para o início de uma franquia repleta de possibilidades. Com conceitos e uma mitologia interessante, a provável sequência promete, principalmente fazendo uso de melhores vilões, uma promessa já estabelecida no gancho final.

Felipe Fernandes

Deixe sua opinião sobre o filme neste post ou nos mande um e-mail dizendo se concorda ou discorda da gente, deixando sua sugestão ou crítica: contato@ratosdecinema.com.

Assine nosso canal e tenha benefícios exclusivos!

catarse LOGO
Patreon_LOGO

Além disso, não deixe de curtir nossa página no Facebook, Youtube, Twitter e Instagram e participar!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s