Mank (Netflix)

 

(Idem, 2020), de David Fincher. Com Gary Oldman, Amanda Seyfried, Lilly Collins, Tom Burke, Charles Dance e Arliss Howard.

Após um hiato de 6 anos, o aclamado David Fincher está de volta com um projeto ambicioso e de aspecto pessoal. Escrito pelo seu falecido pai, o jornalista Jack Fincher, Mank traz o controverso roteirista Herman Mankiewicz (Gary Oldman) como figura central no retrato de uma época marcante de Hollywood, ao mesmo tempo que conta detalhes do trabalho de Mankiewicz na polêmica criação do roteiro de Cidadão Kane, um dos filmes mais aclamados de todos os tempos.

O filme é um projeto antigo, Jack tentou por anos tocar o longa, mas nunca conseguiu um estúdio que o bancasse. Por sua vez, a Netflix desde seu surgimento aposta em alguns projetos considerados arriscados, como por exemplo a finalização do filme inacabado de Orson Welles (O outro lado do vento) e foi na gigante do streaming  (a qual David já têm uma parceria consolidada) que ele encontrou o parceiro ideal para levar as telas o projeto do pai.

Na trama, o experiente e egocêntrico Mankieciwz é contratado para escrever o primeiro filme de Orson Welles, um jovem gênio do teatro que chega a Hollywood com carta branca para realizar seu primeiro longa. Após sofrer um acidente de carro em que fica acamado, Mankiewicz é isolado em um rancho junto a sua assistente para escrever o longa e se manter longe de seus vícios.

O filme trabalha duas linhas de histórias de forma não linear, usando cabeçalhos de roteiro para dividir as sequências, um artifício previsível que traz um certo charme as transições.

As linhas trabalham o momento presente, que o protagonista está acamado e suas relações com sua família, sua assistente e com Welles e a segunda acontece anteriormente ao acidente e busca apresentar Mankieciwz enquanto ele lida com seus vícios e transita nos maiores estúdios da época, mostrando também sua relação com o milionário William Randolph Hearst, que serviu de base para a construção do protagonista do seu roteiro.

Tecnicamente o filme impressiona. A recriação daquela Hollywood permite uma imersão do espectador e Fincher busca resgatar elementos do cinema da época, principalmente de ”Cidadão Kane”.

Desde o uso do preto e branco, passando pela utilização do deep focus (técnica que se destacou no longa de Welles), até mesmo na inserção de detalhes que buscam emular filmes da época, como sujeiras na película. O filme também faz uso do som em mono, criando uma camada sonora que realmente passa a sensação do filme ter sido gravado no mesmo período da trama.  

O grande problema de Mank reside em seu roteiro inchado. Repleto de personagens e muito focado nos diálogos, o roteiro de Jack carece de ritmo, de desenvolvimento de personagens e principalmente de carisma. É muito difícil o espectador se identificar com qualquer uma daquelas figuras. O próprio Mankieciwz é um personagem insuportável (e não digo isso como uma qualidade, pois dependendo da proposta, poderia ser) e que não passa por um arco dramático satisfatório

Essa problema de personagens acaba afetando o trabalho do elenco, mesmo com boas atuações, o roteiro termina por sabotar o filme com personagens desinteressantes. Destaque para o excelente Gary Oldman e para Amanda Seyfried. Alguns dos melhores momentos do filme acontecem com os dois em cena e a química entre eles funciona.

Mas é impossível falar de Mank, sem tocar na grande polêmica retratada no longa. Mankieciwz foi contratado por Welles para escrever o roteiro e por contrato receberia um valor pelo trabalho e não receberia os créditos pelo texto do filme, que seria creditado integralmente para Welles. Essa era uma prática muito comum na época.

 Após terminada sua primeira versão, Mankieciwz bateu o pé e passou a exigir de Welles que seu nome fosse creditado. Essa polêmica durou anos, existem pessoas que creditam a qualidade de Kane para o roteirista e que Welles teria usado o trabalho alheio para fazer sua fama. O próprio filme dá a entender isso. Já ficou provado que o roteiro escrito por Mankieciwz foi a primeira versão, que sofreu mudanças consideráveis feitas por Welles, sendo assim justo creditar os dois como roteiristas.

Para um filme que aborda essa questão, trazer Jack Fincher como único roteirista creditado, quando é sabido que o roteiro passou por tratamentos seguintes nas mãos de outros roteiristas, só prova a hipocrisia de Fincher. Acredito que na intenção de homenagear o pai, ele acaba indo contra um elemento importante do filme, uma questão delicada e difícil de compreender.  

Mank é um filme ambicioso, que aborda as polêmicas e os bastidores não só de um clássico antológico, mas principalmente das questões sociais e políticas da era de ouro Hollywood. Uma pena que o filme padeça de um roteiro tão irregular e sem carisma, fazendo da obra um filme frio e irregular. 

Felipe Fernandes

Deixe sua opinião sobre o filme neste post ou nos mande um e-mail dizendo se concorda ou discorda da gente, deixando sua sugestão ou crítica: contato@ratosdecinema.com.

Assine nosso canal e tenha benefícios exclusivos!

catarse LOGO

Além disso, não deixe de curtir nossa página no Facebook, Youtube, Twitter e Instagram e participar!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s