O Cinema Autoral de Zahler em Justiça Brutal

(Dragged Across Concrete, 2018), de S. Craig Zahler. Com Mel Gibson, Vince Vaughn, Tory Kitlles, Michael Jai White e Jennifer Carpenter.

Herdeiro direto do cinema noir, Justiça brutal  é um filme que parte de uma premissa bem comum para contar uma história que ganha peso e complexidade em seus detalhes e na abordagem realista adotada pelo seu diretor.

Na trama,  dois policiais veteranos são suspensos após serem filmados cometendo atos de brutalidade policial. Cansado do tipo de vida que leva, se sentindo desvalorizado após anos de serviço e vivendo em condição financeira apertada, o policial Bret Ridgeman (Mel Gibson) monta um plano para roubar o dinheiro de uma gangue, no estilo ladrão que rouba ladrão, levando seu parceiro e amigo de longa data Anthony Lurasetti (Vince Vaughn) a ingressar no seu esquema.

O diretor e roteirsta S.Craig Zahler cria um universo habitado por personagens que mesmo quando bem intencionados transitam facilmente entre o certo e o errado. O diretor também é muito bem sucedido em quebrar nossa expectativa, criando cenários e situações que indicam um resultado e que surpreendem trazendo novas camadas para os personagens. 

Ele consegue misturar várias histórias e com poucas cenas, consegue fazer com que nos importemos com vários personagens, resultado de um roteiro equilibrado, onde cada cena têm sua função narrativa e com diálogos precisos, e mesmo os que aparentam ser bem banais, contribuem para o desenvolvimento dos personagens, de suas relações e de toda a história. 

Os diálogos aliás são uma marca forte do diretor que consegue agregar um humor ácido e certeiro, discutindo questões raciais e sociais com naturalidade, sem soar como uma crítica de fato. Em um primeiro momento alguns desses diálogos soam bem incômodos, mas conforme o andamento da narrativa, tudo se encaixa, ficando clara a posição do diretor e de sua obra.

 Esses diálogos fazem parte de um cenário cru, que beira a realidade e toda a proposta funciona pois Zahler trabalha personagens multifacetados, que assim como na realidade formam um quadro complexo e até mesmo contraditório, outra característica que reforça essa sensação de realidade.

Outra característica do cinema de Zahler é o tempo com que ele trabalha suas cenas. O filme tem um ritmo mais cadenciado, pouco usual em filmes do gênero, mas o diretor trabalha suas cenas com um espaçamento de tempo que torna tudo mais pesado. Nas cenas de ação, você sente mais os efeitos dos tiros, as consequências das ações, o planejamento e o improviso, são cenas muito tensas que prendem o espectador.   

Merece destaque o elenco, mas em especial a dupla de protagonistas. Mel Gibson e Vince Vaughn têm uma química invejável e a atuação dos dois é a alma do filme. Os dois conseguem transparecer a intimidade, confiança e o peso de anos de parceria e juntos aos detalhes do texto constróem dois personagens muito interessantes.

Justiça Brutal é sem exagero, um dos melhores filmes policiais que eu assisti. Certeiro em todos os sentidos, o filme têm uma longa duração que passa muito rápido, em uma trama cheia de quebras de expectativas, diálogos antológicos e muita violência. Em seu terceiro longa, Zahler se mostra um diretor autoral de mão cheia e desde já, se prova um dos mais interessantes dos últimos anos.

Disponível: Prime Vídeo.

Felipe Fernandes

Deixe sua opinião sobre os filmes neste post ou nos mande um e-mail dizendo se concorda ou discorda da gente, deixando sua sugestão ou crítica: contato@ratosdecinema.com.

Assine nosso canal e tenha benefícios exclusivos!

catarse LOGO

Além disso, não deixe de curtir nossa página no Facebook, Youtube, Twitter e Instagram e participar!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s