#TBT – O Rei da Comédia

The King of Comedy (1982), de Martin Scorsese. Com Robert De Niro, Jerry Lewis, Diahnne Abbott e Sandra Bernhard.

Até onde você seria capaz de ir por um sonho ? Para conhecer o seu ídolo ? Ou para assumir o lugar dele ? São esses questionamentos que movem O rei da comédia, um estudo de personagem repleto de ironias e sem dúvida, um dos filmes mais diferentes da filmografia do diretor Martin Scorsese.

O filme conta a história de Rupert Pupkin (Robert De Niro) um aspirante a humorista que tem como ídolo o grande humorista da tv Jerry Langford (Jerry Lewis). Seu grande sonho é se apresentar no programa de seu ídolo e para isso ele passa a persegui-lo. Tratando do tema do culto a personalidade, o filme é uma viagem pela loucura de Rupert, trazendo elementos que misturam a realidade com os delírios do protagonista, que em sua intimidade se vê não só como amigo do seu ídolo, mas como alguém na mesma altura, sendo inclusive adorado por ele.

É melhor ser rei por uma noite, do que um babaca a vida toda

The King of Comedy | Comédia de Martin Scorsese chega ao Mubi Brasil |  Reserva Cinéfila

Essa é a quinta parceria de Scorsese com De Niro e assim como em Taxi Driver e Touro indomável, o ator interpreta um homem obcecado, disposto a ultrapassar limites para conseguir o que quer. Escrito por Paul D. Zimmerman, o filme é repleto de ironias, a começar pelo título, afinal não se trata de fato de uma comédia. Mas Scorsese vai além, trazendo De Niro como o personagem com algum humor e o lendário comediante Jerry Lewis no papel do comediante amargurado, cansado da fama e da vida que ele leva, decisão curiosa que se mostra acertada, em uma escolha inspirada de elenco.

O roteiro de Zimmerman constrói um background do personagem com poucos diálogos, a cena do jantar com Rita (Diahnne Abbott) é a mais importante neste sentido. Rupert é um homem tímido, provavelmente sofreu bullying durante grande parte da vida e que deseja ser adorado. Scorsese trabalha Rupert e Jerry com contrastes interessantes, os dois personagens passam todo o filme em caminhos opostos, enquanto um busca os holofotes, o outro foge deles. No primeiro encontro entre os dois comediantes dentro do carro, tudo acontece com muito pouca luz, o ambiente escuro representa tanto o anonimato de Rupert, quanto o estado de espírito de Jerry.

The King of Comedy (1982) - bluscreens

Outro elemento interessante provém do curioso nome do personagem, que quase ninguém acerta durante o filme, sendo constantemente corrigido por ele e na cena final, ele é repetido a exaustão, evidenciando o quão incômodo é isso tudo para ele. Curioso também é sua relação com sua mãe (voz da mãe de Scorsese), que nunca é mostrada no filme, sendo sempre cobrado, ele apenas interage com a voz e posteriormente em seu stand-up ele menciona que sua mãe teria morrido a nove anos. um detalhe macabro que diz muito sobre os delírios do personagem.

Symposiums - Reverse Shot

O filme mostra o protagonista basicamente em três situações que se repetem ao longo da projeção. Somos apresentados a ele em um primeiro momento, onde ele se mistura a uma multidão na porta de saída dos estúdios do programa de Jerry, ali ele é tratado pelo nome, é um universo comum para ele, são pessoas aficionadas por celebridades, que trocam objetos de famosos como em um grande mercado. Dentro da confusão, Rupert toma uma atitude e ajuda Jerry a passar pela multidão e entrar em seu carro, adentrando o veículo junto com ele. É esse ato que vai fazer com que Jerry dê uma mínima atenção ao comediante e essa curta conversa é o evento catalisador que vai estimular na mente de Rupert todas as suas fantasias.

Esse é o primeiro ambiente em que o filme se desenrola, Rupert convivendo com outras pessoas aficionadas por celebridades. São esses os momentos onde ele surge mais ´´sóbrio“, como se ao estar na presença de pessoas que compartilham de seus sentimentos e desejos, ele se sentisse de alguma forma compreendido, apesar de se sentir constantemente ameaçado por Masha (Sandra Bernhard), personagem que depois vai se tornar sua parceira.

The King of Comedy | Movie fanart | fanart.tv

O segundo tipo de situação provém dos delírios do personagem. A primeira cena que acompanhamos esses delírios, Scorsese usa uma montagem paralela que mistura a realidade com o que se passa na cabeça do personagem, o que causa uma confusão em um primeiro momento, mas logo entendemos a proposta do diretor e fica claro do que se trata a situação. Esses delírios se repetem em várias cenas, sendo a mais emblemática a que ele ´´contracena“ com um cartaz de Jerry e um de Lisa Minnelli, como se estivessem em um talk show.

Nas cenas em que Rupert está mais longe da realidade, Scorsese o põe com uma gravata amarela, cor que representa seu distanciamento da realidade, é essa gravata que ele usa em vários momentos que o acompanhamos na vida real, mas em que ele se encontra focado em seus desejos, como nas cenas da sala de espera da tv.

rupert pupkin | Explore Tumblr Posts and Blogs | Tumgir

O terceiro tipo de situação decorre de suas interações com Jerry, ou diretamente ligadas ao seu sonho e sua obsessão. Notem que na cena da multidão, em que Rupert ajuda Jerry, ambos usam uma gravata vermelha e é essa cor que vai ser a ligação visual do protagonista com seu ídolo. Ao final dessa mesma sequência, Jerry chega a um prédio e deixa Rupert para trás, Scorsese usa um plano geral para mostrar Jerry no topo de uma escada e Rupert na base dela, no meio dela um tapete vermelho, indicando visualmente o caminho que Rupert tem de percorrer para chegar a Jerry.

A cor vermelha vai aparecer durante todo o filme e está sempre ligada a seu desejo. Seja no vestido do seu interesse romântico Rita, na rosa que ele entrega a ela no bar e principalmente em detalhes do figurino de Jerry, contrastando com o figurino de Rupert, que vai ficando cada vez mais vermelho, culminando na cena final.

Eu olho para a minha vida inteira, vejo coisas terríveis e transformo em algo engraçado

O rei da comédia é um grande filme que é meio esquecido dentro da grande filmografia de Martin Scorsese. É um filme diferente do estilo habitual do diretor, mas que conta com momentos grandiosos. É simples em estrutura, mas muito interessante como estudo de personagem, um filme que causa incômodo e dialoga com temas que se tornaram ainda mais atuais em tempos de redes sociais, fama instantânea, onde o culto as personalidades se tornou um mercado ainda mais rentável e perigoso.

Deixe sua opinião sobre os filmes neste post ou nos mande um e-mail dizendo se concorda ou discorda da gente, deixando sua sugestão ou crítica: contato@ratosdecinema.com.

Assine nosso canal e tenha benefícios exclusivos!

catarse LOGO

Além disso, não deixe de curtir nossa página no Facebook, Youtube, Twitter e Instagram e participar!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s