O Capítulo Final Da Era Craig

007 - Sem Tempo Para Morrer" ganha último trailer!

007: No time to die (2021). De Cary Joji Fukunaga. Com Daniel Craig, Léa Seydoux, Rami Malek, Lashana Lynch, Christoph Waltz, Ana de Armas, Naomie Harris, Ben Whishaw e Ralph Fiennes.

Lançado em 2006, Cassino Royale foi o primeiro filme do ator Daniel Craig como o espião mais famoso do cinema e trouxe uma proposta diferente. Funcionando como um reboot, fomos apresentados ao agente no início da carreira, conseguindo sua licença para matar, com uma pegada mais realista que buscou humanizar o personagem. 

Passados 15 anos e quatro filmes, 007: Sem tempo para morrer é a despedida de Craig do icônico personagem e ao que tudo indica dessa abordagem que começou com o ator. O filme busca fechar todas as pontas deixadas desde o filme de 2006, em que diferente do geral da franquia, trouxe histórias que se conectam direta e indiretamente e explorou as origens do personagem como nunca antes. 

No Time to Die Review: The Daniel Craig Era of James Bond Comes to an End

Na trama, Bond (Daniel Craig) vive tranquilamente após abandonar o serviço secreto, até que seu amigo Felix Leiter (Jeffrey Wright) pede sua ajuda em uma missão para resgatar um cientista desaparecido, situação que vai levar o agente em uma trama cheia de segredos e traições, que vai resgatar inimigos do passado em uma corrida atrás de uma arma de destruição em massa que põe em risco a vida de milhões de pessoas.

O filme começa com Bond e Madeleine (Leá Seydoux) curtindo a aposentadoria do agente, mas ambos escondem segredos que precisam ser superados e é justamente esse passado que vai pôr em risco a relação e a vida dos dois. Não por acaso a cena pré-credito é dividida em duas, com cada uma tendo um dos personagens como protagonista.

O roteiro escrito pela dupla habitual Neal Purvis e Robert Wade, tendo aqui a ajuda do diretor Cary Joji  Fukunaga e da premiada roteirista e atriz (indicada por Craig) Phoebe Waller-Bridge, tem a missão de contar uma nova história, ao mesmo tempo fechar todas as pontas da era Craig, dividindo o filme em três atos com propósitos diferentes. Esse excesso de questões para abordar são o maior problema do filme e justificam sua longa duração.

Apenas um número

Trazendo a busca por uma arma de destruição em massa como evento motivador, essa situação reúne velhos inimigos e aliados, ao mesmo tempo que insere novos personagens, trazendo até mesmo uma nova agente 007, interpretada com intensidade por Lashana Lynch, uma decisão corajosa que mostra como os produtores entendem que a série precisa constantemente se modernizar, sem perder sua essência.

A sequência em Cuba é muito boa, mas é ali que o roteiro começa a indicar seus problemas. Com decisões questionáveis, que muito convenientemente resolvem o problema da Spectre, o filme fecha o primeiro ato de forma emotiva e dramaticamente intensa.

Desenvolvendo a trama e a relação de Bond com seus parceiros de MI6, o segundo ato freia a ação, buscando a tensão por meios dramáticos, enquanto introduz o vilão Lyutsifer Safin (Rami Malek), toma novas escolhas corajosas e transita entre as histórias, olhando a grosso modo, são praticamente dois filmes distintos em um único longa. 

Final trailer for Bond film No Time To Die released

Se falta ação no segundo ato, o terceiro ato é basicamente uma grande sequência de ação, com respiros dramáticos e discursos absurdamente chatos do vilão. Essa última característica era muito comum nos vilões da década de 60, mas nada se compara à falação de Safin. O próprio plano do vilão não faz muito sentido (assim como de alguns dos filmes clássicos da franquia), tornando o personagem não só deslocado dentro da proposta da era Craig, como um dos piores vilões da franquia.

Sensação que vem da interpretação de Rami Malek. Se o Blofeld de Christoph Waltz já soava caricato, o vilão de Malek tem uma fala mansa, irritante, com uma cena de discurso pavorosa, em que o texto contribui muito para o desinteresse no personagem. Nesse sentido, o terceiro ato é muito problemático. Longo, cansativo e com cenas de ação pouco inspiradas.

No Time To Die Will Be the Longest James Bond Movie To Date - IGN

Tomando decisões corajosas (goste você delas ou não), 007: Sem tempo para morrer funciona como encerramento para a era Craig, mas como filme de ação e da franquia carece de foco e de um bom roteiro. A necessidade de fechar todas as pontas e elevar o drama dessa versão humanizada e atormentada do personagem cobra seu preço. 

É difícil imaginar o futuro da franquia, mas é fato que a era Craig renovou o personagem e termina com um saldo positivo. Apesar de alguns tropeços, os cinco filmes trazem um arco fechado, que com o tempo vão se tornar um ponto de destaque na filmografia mais longeva do cinema.

Deixe sua opinião sobre os filmes neste post ou nos mande um e-mail dizendo se concorda ou discorda da gente, deixando sua sugestão ou crítica: contato@ratosdecinema.com.

Assine nosso canal e tenha benefícios exclusivos!

catarse LOGO

Além disso, não deixe de curtir nossa página no Facebook, Youtube, Twitter e Instagram e participar!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s